rss

Visa Platinum Linux

Wednesday, July 29, 2009

Now Linux fans can show off their Linux branded Platinum Credit Cards and express their support for the Linux Foundation.


The Linux Foundation is a nonprofit organization that supports Linux - a free Unix-type operating system originally created by Linus Torvalds and currently supported by a big community of developers and users around the world.


Among its most recent initiatives, the Linux Foundation is partnering with CardPartner to offer the affinity Linux credit card through UMB Bank. With this card everyone can contribute, since the foundation will receive a small percentage for every transaction made with the card, in addition to 50 dollars for each new card activated. All funds from the Visa card program will go directly toward sponsoring community technical events and providing travel grants for open source community members in order to accelerate Linux innovation. Linux Foundation-branded Visa Platinum card members can earn bonus points redeemable towards free merchandise, airline tickets, and more at hundreds of online and neighborhood retailers.


What are other features of this credit card?
  1. No annual fee and 0% APR on purchases and balance transfers for the first six months
  2. Purchase protection and Zero liability protection for unauthorized purchases
  3. Emergency cash and card replacement, Lost luggage replacement, Lost/stolen card reporting service and 24-hour roadside assistance
And how this card look like?


Visa Platinum Linux



Vipre Antivirus and Antispyware

Friday, July 17, 2009

Traditional antivirus engines have been slow to adapt to emerging threats, especially the blending of antispyware threats with antivirus threats. To bridge the best of traditional antivirus with new cutting-edge thinking, Sunbelt Software hired veteran antivirus expert in order to help in the design of a "hybrid" antivirus antispyware engine. While other standalone antispyware vendors merely added antivirus to their existing offering, Sunbelt Software created an entirely new product, Vipre.


Vipre combines antivirus and antispyware in one engine through a fast and light application that also includes a worthy set of security tools; offers secure deletion of files and browsing history; exposes hidden processes running on your computer. However Vipre does not yet include firewall protection, but this is not a problem for some users like me that already use one.


According to some antivirus reviews, Vipre interface is one of the cleanest seen on any antivirus product. It's intuitive and easy to use.
In my initial impressions it seems to be really very good and an exception to new antivirus products, which usually suffer through a few years of instable code.


Installation

If you want to try it, there is a 15-day, fully functional, free trial available. Vipre requires Windows 2000, Windows XP, or Windows Vista; it is not compatible with Windows 95, 98, or ME, Macintosh, or Linux. The installation takes a few minutes and do not require a reboot.
In case you want to remove it, after uninstall it, reboot the PC and you will find no traces of Vipre in our system registry or file directory.


Performance

Vipre scored well in several antivirus reviews. Acording to some reviews, when scanning a single folder with multiple files and in boot speed, Vipre came in first.


Support

Sunbelt Software provides a wealth of support options. Within the contextual Help files--when you are on the Tools page, Help opens to the sections on tools. There is also a list of online help URLs, e-mail help addresses, and a toll-free telephone support available on every Help page, so that if you still can't find the answer, you are welcome to try other areas of support. You can even send feedback on the Help file itself. Unfortunately, telephone support is only available Monday through Friday, 9 a.m. to 6 p.m. EST, so if you have a critical problem on the weekend, you'll have to send an e-mail.


Summary

Vipre Antivirus + Antispyware is a worthy addition to a crowded antivirus field and is straightforward, easy, and effective. Vipre has complete protection and is packaged in an efficient software. With Vipre Antivirus + Antispyware, you get thorough security without sacrificing PC resources.


Link to the official Antivirus Software website.

Virtual Reality for therapeutical needs

Friday, July 10, 2009

An outgrowth of the Computer Graphics research field, Virtual Environment (VE) technology has today become a fully independent research topic. VEs are simulated environments generated by a computer with which human operators can interact through different sensory modalities. Real-life applications of VE technology are an increasingly emergent phenomenon, although still in very specialized contexts (Ghedini et al, 2009).

In the medical sector VEs are commonly used in surgical simulation tasks, medical imaging and neuroscience. One of the most promising medical applications for VE technology is rehabilitation (Ghedini et al, 2009). In this case devices and interaction modalities may present very different features depending on the therapy or the pathology being dealt with. In fact the great flexibility of Virtual Reality (VR) represents one of its great strengths, allowing the most disparate therapeutical needs to be addressed and adapted to the special needs of some users.

Indeed, VR is increasingly used to treat pathologies like autism (Gillette et al, 2007), phobias (Carlin et al, 1997; Powers and Emmelkampa, 2008), brain lesions, neurological speech disorders (Rizzo, 1994), and even smoking, gambling, drugs and alcohol addictions. Such systems are designed in order to establish an efficient “interface” between patient and therapist, allowing the latter to define protocols and measurements which will be subsequently used to perform a quantitative evaluation about a patient’s progress. Usually these systems are based on mainly visual protocols, using a range of different types of displays. These may be either standard screens or immersive technologies like head-mounted displays and/or CAVEs (CAVE is an immersive virtual reality environment where projectors are directed to three, four, five or six of the walls of a room-sized cube).

In cases such as phobias, the subject can be immersed in a virtual world on a high bridge to treat fear of heights, in a room with virtual spiders, or in the middle of a war to treat post-traumatic syndrome disorder.




In the field of motion rehabilitation are heavily used force feedback devices like haptic interfaces and exoskeletons.


References:

A. S. Carlin, H. G. Hoffman and S. Weghorst. 1997. Virtual reality and tactile augmentation in the treatment of spider phobia: a case report, Behaviour Research and Therapy, Elsevier.

D. R. Gillette et al. 2007. Interactive technologies for autism, Proc. of Conference on Human Factors in Computing Systems archive CHI '07, pp. 2109 – 2112.

F. Ghedini, H. Faste, M. Carrozzino and M. Bergamasco. 2009. Passages - a 3D artistic interface for child rehabilitation and special needs. Scuola Superiore Sant’Anna/IMT Institute for Advanced Studies, ITALY.

M. B. Powers and P. M. G. Emmelkampa. 2008. Virtual reality exposure therapy for anxiety disorders: A meta-analysis, Journal of Anxiety Disorders, Volume 22, Issue 3, pp. 561-569.

A. A. Rizzo. 1994. Virtual Reality applications for the cognitive rehabilitation of persons with traumatic head injuries, Proc. of the 2nd International Conference on Virtual Reality and Persons With Disabilities, (HJ Murphy, Ed.), CSUN, Northridge

Sistemas inteligentes de apoio à decisão

Thursday, July 9, 2009

O desenvolvimento dos primeiros Sistemas de Apoio à Decisão começa a surgir na década de 60, coincidindo com o abandono do conceito de Sistemas de Informação para Gestão (SIG/MIS - Management Information Systems).

Os SIG/MIS eram sistemas de informação totais, que suportavam todas as necessidades de informação da organização, enquanto que os SAD consistem em pequenos sistemas vocacionados para uma decisão específica, a ser tomada por um único decisor [Cabral01].

O aparecimento dos SAD foi, de acordo com Sprague e Watson (1989), resultado de vários factores, de entre os quais se salientam a evolução tecnológica ao nível do hardware e do software, permitindo armazenar e obter informações rapidamente, os avanços na investigação nas principais universidades e criação de bases de conhecimento, uma crescente preocupação com o suporte ao processo de tomada de decisão, um crescente ambiente económico turbulento e um aumento das pressões competitivas.

Segundo Sprague e Watson (1989), foi por volta de 1970 que começaram a surgir publicações sobre a matéria, tendo por exemplo Gorry e Scott Morton (1971) feito uma comunicação onde se explicava este conceito como operando sobre domínios semi-estruturados, em que os humanos – e não os sistemas – tomavam decisões, existindo no entanto uma interacção entre ambos no que respeita aos aspectos estruturáveis do problema.

Em meados dos anos 80, com a adesão maciça à utilização de computadores e a disponibilização de ferramentas de modelação, a natureza dos SAD alterou-se significativamente. A progressiva diminuição dos preços do hardware e do software permitiu que se criassem as condições para que os gestores tivessem ao seu dispor computadores nos seus postos de trabalho, podendo criar os seus SAD personalizados. Os departamentos de informática passam a ensinar os gestores a criar os seus próprios SAD em vez de os desenvolverem para eles, sendo este tipo de suporte denominado apoio passivo [KEEN87]. No entanto, apenas sistemas bastante simplificados poderiam ser desenvolvidos deste modo, o que se revelou claramente insuficiente para dar resposta às necessidades crescentes de gestão de informação devido, principalmente, à redução dos níveis organizacionais [Cabral01].

Mais tarde, os SAD, incluindo um especialista participante activo no seu desenvolvimento, juntamente com o decisor, entretanto abandonados, voltaram a ser populares.

Ao longo dos últimos anos, a investigação no domínio dos SAD tem-se concentrado mais no desenvolvimento de ferramentas do que propriamente nos métodos.


CARACTERÍSTICAS

As principais características dos SAD são:
  • Possibilidade de desenvolvimento rápido, com a participação activa do utilizador em todo o processo;
  • Facilidade para incorporar novas ferramentas de apoio à decisão, novas aplicações e informações;
  • Flexibilidade na busca e manipulação das informações [Burc89];
  • Individualização e orientação para a pessoa que toma as decisões, com flexibilidade de adaptação ao estilo pessoal de tomada de decisão do utilizador [Mitt86];
  • Real pertinência ao processo de tomada de decisão, ajudando o utilizador a decidir através de subsídios relevantes;
  • Usabilidade, ou seja, facilidade para que o utilizador o entenda, use e modifique de forma interactiva. [Awad88];

MOTIVAÇÃO PARA O USO

O sucesso de um SAD, a sua continuidade, e, principalmente, a motivação para que as pessoas responsáveis pela tomada de decisão o utilizem dependem dos seguintes factores [Chaves&Orandi03]:
  • O modelo construído deve atender às necessidades gerais da organização e não somente às necessidades específicas de um utilizador;
  • Eventuais mudanças no sistema devem ser feitas rapidamente pelo analista de sistemas para atender a novas necessidades de informação para apoio à decisão;
  • Informações sobre as decisões tomadas devem ser armazenadas e estar disponíveis para que outras pessoas as utilizem em novos processos de tomada de decisão;
  • A interface com o utilizador deve ser a mais amigável possível;
  • A obtenção das informações, internas e externas à organização, deve ser imediata;
  • Os benefícios da utilização de SAD devem ser disseminados na organização através de cursos, palestras, etc

TENDÊNCIAS E USO

Trabalho Cooperativo

Permite que duas ou mais pessoas trabalhem em tarefas comuns, em ambientes computacionais completamente diferentes, mesmo que estejam localizadas em locais geograficamente distantes, interagindo, discutindo e tomando decisões sobre um mesmo assunto [Kras91]. Um caso concreto desta aplicação é a Telemedicina, onde especialistas podem discutir radiografias, resultados de exames, visualizar operações e tomar decisões em conjunto sobre o estado clínico de pacientes localizados em salas ou mesmo em hospitais diferentes e distantes [Chaves&Orandi03].

Simulação

Muitas decisões poderão ser tomadas através de modelos simulados em computadores que servirão para analisar e avaliar um amplo conjunto de problemas do mundo real [Fitz93]. As alternativas de decisão poderão ser analisadas e validadas através de simulação antes que a decisão seja tomada como por exemplo tecnologias de gestão de recursos [Chaves&Orandi03].

Multimédia

Multimédia possibilita que um SAD possa guardar e obter informações contidas num banco de dados através de hiper documentos, ou seja, documentos computorizados que contenham diagramas, imagens, sons, animação, vídeo e texto, disponibilizados através de formas de acesso totalmente flexíveis [Mart92].

Expert Systems

Através da área da inteligência artificial, que se ocupa da construção de sistemas que manipulam informações armazenadas em bases de conhecimento e que retratam o raciocínio de especialistas [Rock86], é possível guardar as decisões tomadas e o raciocínio que foi utilizado para se chegar a elas. Os SAD poderão buscar informações nessas bases de conhecimento para auxiliar futuras decisões.

Interfaces Amigáveis

O acesso às informações oferecidas por um SAD poderá ser feito através de ícones accionados por ratos ou tocados com os próprios dedos. Os teclados assim como os ratos deverão ser substituídos muito em breve pela voz humana. A representação da informação será exibida através de vários métodos tais como: voz, sons, imagens, animação, texto, etc. [Chaves&Orandi03]. Assim as interfaces serão mais agradáveis e de maior usabilidade.

Redes de Comunicação

O avanço das redes de comunicação permitem cada vez uma melhor transmissão simultânea e sincronizada de sons, imagens, vídeos, dados e textos em alta velocidade, com informações totalmente digitais e com elevado grau de segurança. A obtenção das informações para auxílio à decisão será assim instantânea [Chaves&Orandi03].

Computação Móvel e Ubíqua

Ser sujeito a tomar decisões é uma tarefa de responsabilidade que requer um conhecimento intrínseco do problema em estudo. O contexto é qualquer informação que caracteriza as entidades relevantes na interacção entre o utilizador e uma aplicação. Toda esta informação (local, temporal, ambiental, social, recursos próximos, dimensão psicológica, actividade, etc.), referente ao utilizador e à situação em que este se encontra, é altamente dinâmica e distribuída, podendo conter atributos muito específicos, como o nível de ruído, custos de comunicação, entre outros.

Context-aware computing permite que um sistema possa extrair, interpretar e utilizar esta informação e adaptá-la a um contexto actual, apresentando-se como um grupo, implícito ou explícito, de estímulos que envolvem uma entidade específica e procuram fornecer serviços adequados a esta. Todo o ambiente envolvente, social ou físico, afecta o comportamento da entidade, e o contexto implícito [Davis&Thomson88]. Abowd classifica esta informação contextual nos seguintes estados: tempo, identidade, localização e entidade (objectos que estão a ser usados numa situação) [Abowd99]. Por exemplo, o trabalho de uma pessoa pode ser deduzido através do local em que esta se encontra e do contexto da entidade.

O termo context-aware computing, ou computação sensível ao contexto, é normalmente compreendido por estas tarefas, sendo a chave nos esforços da dispersão e integração transparente da tecnologia computada nas nossas vidas [Chen03].

Context-aware computing começa a ser decisivo nos sistemas móveis. Estes sistemas direccionam-se para guarnecer às pessoas o acesso à informação, comunicação e computação. Por exemplo, o CAMP (context-aware mobile portal) é um portal aprimorado com características sensíveis de contexto como preferências do utilizador, localização e temperatura.

Este tipo de sistemas tem sido desenhado para permitir aos sistemas correntes executar acções autonomamente, reconhecer perfeitamente o contexto e determinar a acção apropriada, o qual exige alguma inteligência [Erickson02]. Reconfigurar automaticamente o contexto é pro-vavelmente o maior desafio, uma vez que o contexto é muitas vezes indirecto ou dedutível pela combinação de diferentes partes da informação.

Context-aware na tomada de decisão

Simon desenvolveu um modelo descritivo para a tomada de decisão, dividido em 3 fases interactivas e iterativas:

Fases do processo de tomada de decisão

  • Reconhecimento – consiste na identificação do problema ou de uma oportunidade de mudança;
  • Design – consiste na verificação e na estruturação das decisões alternativas;
  • Escolha – está relacionado com a avaliação e com a escolha da melhor alternativa;

Comparando com o processo típico de tomada de decisão, o processo de context-aware para tomada de decisão incorpora os conceitos de context-aware (tempo, identidade, localização e entidade), através do reconhecimento automático do contexto para a tomada de decisão, o qual pertence à fase de reconhecimento, e pelo fornecimento de alternativas seleccionando uma destas para chegar à decisão, através da dedução dos dados antecedentes, que pertencem às fases de design e escolha, respectivamente.
O cerne de actividade do modelo baseado na fase de design é dividido em quatro modelos de actividade: modelo de selecção, modelo de formulação, modelo de execução e modelo de interpretação de resultados.

Modelo da fase design do context-aware.

  • Modelo de selecção: importa uma situação que pode ser resolvida através de técnicas de optimização da fase de reconhecimento. Este passo fornece ao utilizador um conjunto de modelos optimizados de acordo com o contexto deste, e passa para o modelo seguinte.
  • Modelo de formulação: um conjunto de parâmetros a serem usados nas instâncias do modelo de formulação são importados como dados de contexto da rede sensorial.
  • Modelo de execução: se mais do que uma solução são encontradas entre os recursos da rede, então este passo ajuda a seleccionar uma solução considerando o contexto do utilizador: estado actual da rede, localização do utilizador, etc. Além disso, neste passo, o modelo de instanciação é formatado de acordo com a interface da solução seleccionada. Finalmente, os resultados são libertados ao passo seguinte.
  • Modelo de interpretação: os resultados são interpretados de acordo com os interesses do utilizador. Depois, o formato de apresentação destes resultados é optimizado e gerado de acordo com a performance do dispositivo utilizado. Por exemplo, a resolução é importante se um utilizador está a usar um PDA ou um telemóvel. Neste caso, a apresentação deve ser sumariada para que o utilizador não tenha problemas na consulta dos resultados.

CONCLUSÃO

Programadores e utilizadores dos SAD necessitam de ser consumidores “críticos” deste tipo de sistemas.
Os SAD não fazem tudo nem têm tudo, mas também não precisam disso para serem úteis. Um decisor pode por vezes beneficiar do simples facto de observar um facto; ou ser capaz de fazer uma analise de dados ad hoc; ou por simplesmente observar os dados ou relatórios.
Então o que é um SAD? Um Sistema de Apoio à Decisão (SAD) é um sistema interactivo baseado em computador que tem como objectivo ajudar o utilizador a tomar decisões. Os SAD ajudam os decisores a obter, resumir e analisar informações relevantes à decisão.

Quando estes sistemas têm em atenção factores de contexto como entidades, identidades, localizações, entre alguns outros, os sistemas tornam-se mais valiosos e flexíveis pois agora a ajuda dada ao decisor é mais especifica e apropriada.


REFERÊNCIAS

[Abowd99] Abowd, G. D.. Software engineering issues for ubiquitous computing. Proceedings of the 21st international conference on software engineering pp. 75–84, 1999.

[Awad88] Awad, Elias M., Management Information Systems, Benjamin/Cummings, 1988.

[Burc89] Burch, John G. e Gary Grudnitski, Information Systems - Theory and Practice, John Wiley & Sons, 1989.

[Cabral01] Cabral, Pedro B., Sistemas Espaciais de Apoio à Decisão, Lisboa, IST, 2001.

[Chen03] Chen, H., An intelligent broker architecture for context-aware systems. PhD dissertation proposal, the University of Maryland Baltimore County, USA, 2003.

[Chaves&Orandi03] Chaves, Eduardo C. e Orandi, Mina F., Sistemas de Informação e Sistemas de Apoio à Decisão, 2003

[Davies&Thomson88] Davies, G., & Thomson, D.. Context in context. In G. Davies, & D. Thomson (Eds.), Memory in context. Chichester: Wiley, 1988.

[Fitz93] Fitzpatrick, Kathy E., Joanna R. Baker e Dinesh S. Dave, "An Application of Computer Simulation to Improve Scheduling of Hospital Operating Room Facilities in the United States", International Journal of Computer Applications in Technology, 1993.

[Kras91] Krasner, Herb, John McInroy e Diane B. Walz, "Groupware Research and Technology Issues with Application to Software Process Management", IEEE Transactions on Systems, Man, and Cybernetics, Julho/Agosto, 1991.

[Mart92] Martin, James, Hiperdocumentos e Como Criá-los, Campus, 1992.

[Mitt86] Mittra, Sitansu S., Decision Support Systems Tools and Techniques, John Wiley & Sons, 1986.

[Rock86] Rockart, John F. e Cristine V. Bullen, The Rise of Managerial Computing, Dow Jones-Irwin, 1986.

[Simon60] Simon H. A., The new science of management decision, New York, Harper & Row, 1960.

[Sprague89] Sprague Jr. R. H. and Watson H. J., Decision Support Systems – Putting Theory Into Practice, Second Edition, N.J., Prentice Hall International Editions, 1989.

Google plans Chrome-based Web OS

Wednesday, July 8, 2009

The Google operating system rumor is coming true--and it's based on Google's browser, Chrome.


The company announced Google Chrome OS on its blog Tuesday night, saying lower-end PCs called Netbooks from unnamed manufacturers will include it in the second half of 2010. Linux will run under the covers of the open-source project, but the applications will run on the Web itself.


With this move, Microsoft is get more nervous since google is now heading in the field where Microsoft is King.


Disclosure Policy

Tuesday, July 7, 2009

This policy is valid from 07 July 2009

This blog is a personal blog written and edited by me. For questions about this blog, please contact Bruno Simões <webmaster (at) think-techie>.

This blog accepts forms of cash advertising, sponsorship, paid insertions or other forms of compensation.

The compensation received may influence the advertising content, topics or posts made in this blog. That content, advertising space or post may not always be identified as paid or sponsored content.

The owner(s) of this blog is compensated to provide opinion on products, services, websites and various other topics. Even though the owner(s) of this blog receives compensation for our posts or advertisements, we always give our honest opinions, findings, beliefs, or experiences on those topics or products. The views and opinions expressed on this blog are purely the bloggers' own. Any product claim, statistic, quote or other representation about a product or service should be verified with the manufacturer, provider or party in question.

This blog does not contain any content which might present a conflict of interest.